domingo, 12 de setembro de 2010

Cosme e Damião - Topo de Bolo em biscuit


São Cosme & Damião
Os gêmeos que curavam com as mãos são considerados os primeiros santos médicos do cristianismo

Setembro 26

Nascimento: No século 3, na região da Arábia

Morte: Em 270, na Cilícia, na Síria

A história de Cosme e Damião é tão envolta por lendas que fica difícil saber o que é folclore e o que realmente aconteceu. Sabe-se que os irmãos gêmeos nasceram na Arábia, no século 3, e que, assim como em outros lugares do mundo, a população acreditava em várias divindades simultaneamente. Era comum as pessoas adorarem astros e fenômenos da natureza. Sol, vento e chuva eram considerados manifestações divinas. Os meninos, porém, não confiavam muito nessa crença.

“Você não acha que deve haver um pai de todas as coisas?”, perguntou Damião. “Acho, sim”, respondeu Cosme. Como o imperador Diocleciano havia proibido a crença em um único Deus, característica do cristianismo, os meninos não tinham conhecimento sobre os ensinamentos do messias. Mesmo assim, a partir desse dia, os gêmeos passaram a invocar o nome desse “pai de todos” para curar animais. Como deu certo, eles começaram a fazer o mesmo com crianças doentes da vila onde moravam. Bastava um toque ou algumas palavras para que curassem os amigos.
A fama de Cosme e Damião se espalhou rápido e o cônsul Lísias, representante do imperador na Cilícia, ficou furioso com os cristãos. Sua primeira providência foi proibi-los de exercer a medicina. Depois, ordenou que toda a família dos gêmeos fosse presa. Seus outros três irmãos foram acusados de feitiçaria e obrigados a renegar o cristianismo. Cosme e Damião tentaram se explicar, dizendo que curavam em nome de Jesus, mas só pioraram a situação deles. Foram jogados numa masmorra e sofreram variadas torturas. Eles conseguiram fazer milagres até nesse momento difícil. As flechas e pedras jogadas contra os dois não conseguiam feri-los e se voltavam para seus algozes. Após um mês de martírio, Cosme e Damião morreram decapitados. Eles foram canonizados por aclamação popular e são considerados os primeiros santos médicos do cristianismo.

A história da devoção a São Cosme e São Damião é antiga e atravessa continentes. Na Bahia, a fé nos santos irmãos ganhou importância principalmente pelo sincretismo com Ibeji, o orixá duplo dos nagôs, que representa os gêmeos. A mistura foi tão completa que ultrapassou a fronteira das religiões e classes: católicos e adeptos do candomblé, ricos e pobres oferecem a mesma comida sacrificial do candomblé às imagens dos santos cristãos.

A festa é caseira, mas farta. Todos os anos, no mês de setembro, ela acontece em milhares de lares baianos. Difícil imaginar uma mais sincrética. O “Caruru de São Cosme e São Damião” homenageia os santos gêmeos da igreja católica, os Ibêjis do candomblé e também as crianças. Tudo precisa ser feito no mesmo dia: caruru, xinxim de galinha, vatapá, arroz, milho branco, feijão fradinho, feijão preto, farofa, acarajé, abará, banana-da-terra frita e os roletes de cana. A dimensão da oferenda é medida pela quantidade de quiabos do caruru. Cada um faz como pode: mil, três mil ou até 10 mil quiabos. Quando a comida fica pronta, coloca-se uma pequena porção nas vasilhas de barro aos pés das imagens dos santos, ao lado das velas, balas e água. Depois, serve-se o caruru a sete meninos com, no máximo, 7 anos cada. Eles comem juntos, com as mãos, numa grande gamela de barro ou bacia. Só então é a vez dos convidados participarem da celebração.

Os padroeiros dos médicos

1. Os instrumentos cirúrgicos nas mãos dos irmãos indicam que os santos eram médicos.

2. A folha de palmeira é o símbolo dos que morreram como mártires.

3. A auréola ao redor de suas cabeças indica o poder divino.

A oração
São Cosme e Damião, que por amor a Deus e ao próximo vos dedicastes à cura do corpo e da alma de vossos semelhantes, abençoai os médicos e farmacêuticos, medicai o meu corpo na doença e fortalecei a minha alma contra a superstição e todas as práticas do mal. Que vossa inocência e simplicidade acompanhem e protejam todas as nossas crianças. Que a alegria da consciência tranqüila, que sempre vos acompanhou, repouse também em meu coração. Que a vossa proteção, São Cosme e Damião, conserve meu coração simples e sincero, para que sirvam também para mim as palavras de Jesus: “Deixai vir a mim os pequeninos, pois deles é o reino dos céus”. São Cosme e Damião, rogai por nós. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quero receber seus comentários!